Nova diretoria da Assespro-MG é eleita para o biênio 2021/2022
26 de novembro de 2020
Federação Assespro comemora Marco Legal das Startups
16 de dezembro de 2020
Governo descobre que coleta muito mais dados do que precisa usar

Em busca do equilíbrio entre o uso cada vez maior de dados e da proteção da privacidade, especialmente a partir da Lei Geral de Proteção de Dados (13.709/18) o próprio governo está começando a descobrir que no pântano de informações acumuladas possui muito mais dados do que efetivamente precisa, conforme reconhece o secretário de Governo Digital, Luis Felipe Monteiro. 

“Estamos trabalhando em programas de proteção de dados, no catálogo das bases de dados, na publicação de termos de uso e consentimento. Tem que estar muito claro, e não em linguagem de advogado, em letra pequenininha, mas em português que todo mundo entenda, como o dado é utilizado, para quê, sobre que limites. E aí vamos começar a entender que o governo não precisa de todos os dados que coleta. Que coleta muito mais do que precisa. E isso é um risco à luz da LGPD”, afirmou Monteiro ao discutir o tema durante o 5×5 Tec Summit. 

“É um grande desafio para todos a implementação da LGPD. Mas há previsão na Lei de uso de dados para políticas públicas sobre determinadas condições. É fundamental que a gente tenha transparência sobre o uso dos dados. A melhor forma de controlar falhas e dar confiança de que isso é bem utilizado é tornando isso transparente. Acabamos de lançar uma portaria para que todos os órgãos instituam seus encarregados de dados.”

Como destacou o professor e cientista chefe da TDS.company, Silvio Meira, a LGPD já provoca uma mudança no setor privado, de maior cautela na coleta de dados. “Porque se ele ficar com meus dados lá e vazar vão acontecer coisas fora do desenho original”, lembrou. 

Para Silvio Meira, seria importante que o Brasil começasse a discutir a ideia do “depositário fiel” de dados, não necessariamente governamental, e até mesmo o passo seguinte à LGPD, que são os instrumentos para proteger as pessoas do uso disseminado dos algoritmos. 

“Ainda não estamos prontos para essa discussão. Estamos no momento em um pântano. O que o governo tem, o que todos os governos têm em quase todos os lugares do mundo, por causa da multitude de órgãos públicos que têm dados, inclusive replicados, que inclusive ajuda nos vazamentos. A gente tem que chegar num ponto onde a racionalização do processo intermediário dentro do governo faz duas coisas: só se pede os dados que realmente quer, mas também uma estratégia para gerir o ciclo de vida desses dados dentro do Estado. O governo não tem um datalake, tem um pântano de dados.”

Fonte: Luís Osvaldo Grossmann – Convergência Digital

ASSOCIE-SE
Ajuda? Chat via WhatsApp