Você tem conhecimento sobre a Nova Lei de Licitações?
23 de junho de 2021
Órgãos de proteção de dados querem banir reconhecimento facial
23 de junho de 2021
Governo adota novo modelo para pagar serviços de TIC

Pressionado pelo Tribunal de Contas da União e em busca de um sistema capaz de melhor medir os resultados das contratações de TICs, o governo federal baixou uma nova metodologia de precificação e pagamento para serviços de operação de infraestrutura e atendimento a usuários de tecnologia de informações e comunicação.

Esse novo modelo de contratação prevê adoção de pagamento fixo mensal associado a atendimento de níveis mínimos de serviço e mensurado a partir da estimativa de ‘Categorias de Serviço’ e seus respectivos ‘Perfis de Trabalho’, por meio de ‘Mapa de Pesquisa Salarial’ de referência, utilização de ‘Fator-K’ único, apoiados por um modelo de Planilha Simplificada para Estimativa do Valor Mensal do Serviços, elaborados e mantidos pela Secretaria de Governo Digital do Ministério da Economia – órgão central da coordenação dos recursos de TI.

Entre as várias premissas do novo modelo, descrito na longa Portaria 6.432 da SGD, destacam-se a utilização de valores padronizados para estimativa de preços dos perfis profissionais, assim como definição do valor de referência da contratação. A norma já traz uma primeira versão, com 33 perfis, que vão deste ‘técnico de suporte júnior’, com salário de R$ 1,3 mil, até ‘gerente de segurança da informação’, R$ 11,1 mil.

O modelo também adota um rol mínimo de níveis de serviços que devem ser aferidos e controlados, além de um rol adicional de níveis mínimos para órgãos que adotam práticas DevOps ou possuam ambiente baseado em infraestrutura como código. Para a SGD, “a definição do valor fixo mensal associado ao cumprimento de níveis de serviços e critérios de qualidade busca gerar incentivos para que as contratadas prestem serviços associados ao uso de recursos tecnológicos que forneçam a agilidade e qualidade adequada às condições exigidas”.

A norma também prevê que devem ser adotadas, preferencialmente, as chamadas metodologias ágeis em projetos de infraestrutura a exemplo da aplicação do conceito de DevSecOps. E ainda catálogos de serviços para descrição dos serviços prestados pela área de TIC, resultados esperados e níveis mínimos de qualidade exigidos. A Portaria lista como boa prática “possuir um Catálogo de Serviços com todos os serviços prestados e executados em suas operações”.

Os perfis e salários são estimativas que devem ser levadas em conta no momento que cada órgão definir o valor de referência da contratação. A nova metodologia também adota o “Fator-K”, que é um parâmetro para se estimar o custo do serviço com base na remuneração do profissional. Dessa forma, o Fator-K indica quantos reais são pagos à empresa contratada para cada real pago pela empresa ao trabalhador. Nessa primeira versão, o Fator-K adotado é de 2,28.

A nova metodologia impacta compras que beiram os R$ 5 bilhões por ano na administração federal e é uma resposta – assim como uma evolução – a queixas do TCU e a busca pela melhor forma de remuneração de serviços de TICs. Desde o sistema de ‘homem-hora’ até a mais recente Unidade de Serviços Técnicos, os modelos trouxeram distorções no pagamento que o novo sistema tenta endereçar.

Fonte: Convergência Digital – Luís Osvaldo Grossmann

ASSOCIE-SE
Ajuda? Chat via WhatsApp