Governo institui Estratégia de Desenvolvimento para o Brasil
3 de novembro de 2020
03/12 – Workshop online | Comunicação Assertiva, fale bem, comunique-se melhor!
4 de novembro de 2020
Cresça como líder ou sua empresa sempre será pequena!

Em um estudo com mais de 50.000 lideranças, Jack Zenger concluiu que os piores líderes perdem dinheiro das organizações, já os melhores produzem lucros e obtêm o dobro de retorno em comparação aos outros 90%. A qualidade da liderança influencia diretamente nos resultados. Então, o empreendedor que deseja fazer seu negócio crescer precisa desenvolver competências de liderança. Desenvolver sim, pois saber liderar não é um dom nato e pode ser aprendido.

Trabalho com pequenos negócios desde 2014. Ver uma empresa crescer é uma das experiências mais inspiradoras que existem. Quando uso a expressão “crescer” não me refiro necessariamente em se tornar uma gigante ou um unicórnio das startups. Mas, aumentar expressivamente suas receitas e otimizar o resultado. Crescer é um caminho desafiante para o empreendedor, pois exige que ele também cresça, faça a equipe e a empresa crescerem juntos. Isso demanda maturidade para lidar com os novos desafios, sair da zona de conforto e adotar uma postura lifelong learning.

Para o empreendedor, um dos desafios do crescimento é praticar o desapego. Ele não consegue mais “abraçar o mundo”. Então, é preciso confiar nos colaboradores e delegar. Delegar não é “delargar”. Para muitos empreendedores, isso é difícil por vários motivos: acham que a equipe não irá fazer tão bem quanto, não confiam ou não querem abrir mão do “controle”. Então, é preciso desapegar, delegar, confiar nos colaboradores, se dedicar à estratégia e assumir a liderança. É preciso sair da operação, olhar o todo e conduzir à mudança. Para delegar, duas condições são importantes: 1- coragem do empreendedor para deixar de fazer boa parte do que fazia. 2 – Ter a equipe certa, confiar e monitorar. Sem as pessoas certas, delegar para crescer é impossível.

Empresas e pessoas crescem juntas. Isso passa a exigir mais do empreendedor inteligência emocional e competências em gestão de pessoas. Uma boa parte deles não está preparada para conduzir tais transformações. A liderança é o termômetro da cultura. Quase toda mudança na empresa começa com mudanças no comportamento das lideranças. Uma pesquisa da Gallup apontou que 70% do engajamento é reflexo do que a liderança faz ou deixa de fazer, como feedbacks, elogiar de maneira sincera, dar oportunidade de crescimento, etc. Então, desenvolver bons líderes é uma premissa para crescer.

Liderar pelo exemplo é uma máxima. Muitas pessoas se demitem dos seus “chefes”. Não adianta cobrar humildade se você é arrogante, já dizia Rony Meisler, da Reserva. Não pense na relação empresa-colaborador como uma relação mecânica, pautada apenas no dinheiro e no trabalho. Oriente essa relação pelo norte pessoa-pessoa. Afinal de contas, é isso que é, pessoas lidando com pessoas o tempo todo. Negócios agora, mais do que nunca são “humans to humans”. Empresas engajadas com as pessoas sempre obtêm mais engajamento das pessoas.

Com o crescimento, você vai liderar outros líderes. Líderes conservadores fazem empresas conservadoras e líderes sensacionais constroem empresas sensacionais. Crescer exige que o empreendedor olhe para si todos os dias e pense em formas de ser e fazer melhor. É necessário que ele se encare verdadeiramente, tenha humildade e aceite que o caminho é construído por todos ao despertar o melhor de cada um. É um processo de assumir falhas, valorizar as vitórias, corrigir consistentemente e se desenvolver. É uma trajetória de autoconhecimento dolorosa e que o torna vulnerável, mas necessária. Crescer como pessoa jurídica exige que a gente cresça como pessoa física.

Gustavo Terra – consultor especialista em gestão e inovação

ASSOCIE-SE
Ajuda? Chat via WhatsApp