Assespro-MG promove encontro sobre saúde mental no trabalho
28 de abril de 2021
Sua empresa está preocupada com o tratamento de dados pessoais?
28 de abril de 2021
Boa experiência é o novo marketing para 94% das pessoas

A experiência com produtos e serviços é o principal critério de escolha de uma marca para a maior parte das pessoas. Em um mundo cada vez mais mobile first, as marcas têm milhares de oportunidades para conquistar ou perder clientes.

“O meu sonho é ir para a Disney”. Quantas vezes você não disse ou ouviu essa frase em algum momento da vida? Muito além de parques de diversão, Walt Disney desenhou um universo repleto de histórias, materializando nesses espaços um ambiente imagético único, repleto de cores, sons, cheiros e sabores inesquecíveis. Nunca foi apenas storytelling. Mais do que a atração gerada por personagens poderosos como Mickey Mouse, Pateta e tantos outros, os investimentos em treinamento, infraestrutura impecável e atrações inovadoras sempre foram marcas da empresa.

Todos esses itens ajudaram a construir o que mais tarde o biógrafo do empresário e produtor, o jornalista Neal Gabler, chamou de “o triunfo da imaginação americana”. Tudo isso para dizer que durante muitos anos a Disney foi um símbolo muito claro sobre o poder do conceito de experiência embutido no marketing. E mais, para Walt Disney, a experiência era o próprio marketing. “Faça o que você faz tão bem, que as pessoas vão querer vê-lo novamente, e vão trazer seus amigos”, diz uma de suas frases mais famosas.

Essa mentalidade do encantamento e o modelo Disney pautou por muitas décadas as discussões sobre marketing de experiência. Mesmo não tendo um produto tão divertido ou inspirador, diversas marcas replicaram o conceito em seus segmentos com sucesso, ressignificando experiências anteriores, seja potencializando uma pausa para o café, oferecendo sabores únicos com uma velocidade ímpar em um restaurante repleto de cores e atrativos, ofertando o suprassumo de produtos tecnológicos em embalagens e design que são tidos quase como obras de arte ou construindo uma plataforma capaz de entregar qualquer compra em sua casa no mesmo dia, com poucos cliques, em qualquer dispositivo. Uma dúvida: você se lembrou de algumas marcas nas linhas acima?

A experiência é o marketing

Essas empresas também investem em publicidade, mas fizeram da experiência o alicerce de seu marketing. Tais marcas não estão no negócio de capturar borboletas, elas estão cultivando um jardim. Ok! Tudo isso é lindo, mas nem todo mundo é a Disney, o McDonald´s, Starbucks, Apple ou Amazon. E tem mais: o dinamismo dos dias de hoje, com o avanço de novas tecnologias e os meios digitais potencializam a relação entre o consumidor e as marcas, e multiplicam os pontos e ocasiões de contato entre ambos. Quer um exemplo? Quantas vezes você já abriu seu aplicativo do banco ou pediu uma corrida em seu aplicativo de transportes particulares nesta semana? Você certamente não estava se importando em ser encantado, mas sim em executar suas tarefas de forma prática, rápida, inteligente e sem nenhum atrito. Acertei? Isso também é experiência. E ela é mais importante do que nunca.

Você já parou para pensar que da velocidade, potência e pensamento disruptivo dos novos tempos nasceram players digitais baseados na experiência como Netflix, Spotify, AirBNB e Uber? Segundo a definição do Gartner, a experiência é “a soma de todas as percepções e sentimentos relacionados ao cliente causados pelo efeito único e cumulativo das interações com funcionários, sistemas, canais ou produtos de um fornecedor”. Com essa dinâmica, a relação entre pessoas e marcas está menos para um encontro romântico e mais para um casamento, com todos os seus desafios. E é daí que surgem letrinhas mágicas que estão na boca de dez em cada dez executivos de marketing nos dias de hoje: CX (Costumer Experience) e UX (User Experience).

CX, UX e outros Xs

Entre os consumidores americanos com 18 anos ou mais, 94% afirmam que comprariam mais produtos e recomendariam empresas com um bom trabalho de customer experience, de acordo com um estudo do e-Marketer, publicado neste ano. Por outro lado, a mesma pesquisa mostra que 29% das pessoas ouvidas já tiveram alguma experiência ruim que as fizeram decidir nunca mais adquirir produtos e serviços de uma determinada empresa. Os dados compilados pelo e-Marketer, no entanto, mostram também os desafios no caminho das organizações que querem e precisam melhorar a experiência de seus consumidores. A limitação do número de funcionários foi citada por 63% dos profissionais de atendimento como um fator que impede que essas melhorias sejam realizadas. Além disso, 44% também apontam as diretrizes orçamentárias apertadas como um fato de complicação para que essa evolução aconteça.

Seja como for, é evidente que existe um novo playbook de marketing para o mundo atual e ele deveria ter investimentos priorizados de acordo com o funil ou jornada do consumidor. Na base de tudo, essa dinâmica deveria estar focada na experiência de compra ou uso do produto. O que isso significa? Que qualquer trabalho de construção de marca, awareness e consideração só deveria ser realizado quando a experiência estiver em um padrão de qualidade esperado pelo seu consumidor. Não à toa, quase a totalidade das marcas nativas digitais que explodiram nos últimos anos aplicam esse framework em seu modelo de negócio.

Experiência no DNA

Seja nos Estados Unidos ou aqui no Brasil, não há como negar que a experiência se tornou protagonista em um mundo que é cada vez mais mobile first. A pandemia só potencializou e acelerou essa tendência. Por aqui, o estudo mais recente é o CX Trends, realizado pela Zendesk, e mostra que para 76% dos consumidores do país, a experiência se tornou mais importante para eles em 2020, na comparação ao ano anterior. E mais do que isso: 82% dos consumidores brasileiros gastariam mais por uma boa experiência na internet, de acordo com a pesquisa.

Diante da evidência do avanço da experiência no DNA de qualquer empresa, o mercado busca o amadurecimento a partir de aprendizados importantes. Entre eles, podemos listar os seguintes talking points:

CX e UX é uma atribuição do marketing: afinal de contas, quem melhor que a área que tem o papel de conhecer os consumidores e se comunicar com eles para ser a guardiã da experiência?

Novos perfis e skills são necessários: um marketing contemporâneo precisa ter em sua liderança e time skills de produto digital, personas, data analytics, design de produto entre outras habilidades que vão muito além do universo clássico da comunicação.

Cultura de “test and learn”:  é preciso adotar um modelo de melhoria contínua através de ciclos rápidos de testes de melhoria da experiência. Por quê? Porque não existe bala de prata. Milhares de pequenos ajustes é o que fazem a diferença.

Saiba que dados olhar: o grande trunfo do digital é que tudo pode ser mensurado, porém tão importante quanto o que olhar é o que não olhar. É foco nos indicadores que faz a diferença.

Para finalizar, é importante amarrar as pontas e entender que o desenvolvimento da experiência não tem fórmula pronta ou receita infalível, como uma garrafa de Coca-Cola. E que conceitos como CX e UX não são produtos de prateleira. Não importa se você é a Disney, o iFood ou a barraca de frutas do Seu Zé. O que o cliente quer no final do dia é uma boa experiência, dentro do contexto certo, suprindo ou superando a expectativa sobre seu produto ou serviço, seja qual for o seu ponto de contato.

MIT Technology Review – Marcelo Tripoli

ASSOCIE-SE
Ajuda? Chat via WhatsApp